sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Poema do Louco


Haverá destino ou ventura maior
Que ser chamado por todos "o louco" ?
Viver à margem da cruel verdade
Livre de qualquer mental calabouço?

Rir de si mesmo, dos outros, talvez chorar
Sem explicar, dosar ou dar satisfação
Correr nu, vento afora, a trovejar
Bater com a porta torta na cara da razão

Encarar a Virtude em frouxo franco riso
Fazendo do Hoje seu único Bem
Não lamentar a Sorte com tanto siso
Viver com pouco, como louco, sem porém

Ah, e que aqui se faça e seja seu paraíso
Mesmo que os sãos o vejam como purgatório
Ter transparente alma de olhos puros, precisos
Fazer da Vida teu próprio e único Oratório

E vendo-te assim, com esse parco largo sorriso
Com calma doidivana que te cerca como nuvem
Pensarei: "Quem dera ser louco assim também
Para suportar melhor quem juízo tem..."



Minha contribuição para  a Fábrica de Letras, cujo tema deste mês foi  "Loucura"

11 comentários:

  1. Isso sim é um poema muito louco no melhor sentido da palavra.Tenho minha visão do que é ser louco,por exemplo,gente que faz tudo igual todos os dias,só porque todos fazem.BEIJOS e parabéns dobrado

    ResponderExcluir
  2. Oi Ana Cristina, eu adorei o poema. Acho que só sendo um pouco louco para aguentar a loucura que tornou-se o mundo e a vida. Muito legal, ficou leve, agradável de ler, e com muito para pensar.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Ana Cristina, um poema belo na construção, no tema. beijo

    ResponderExcluir
  4. Destino belo este, versos magníficos.
    beijos

    ResponderExcluir
  5. teu poema vai certinho, nisso de loucura e o que se tem por razão, é só olhar o outro para sabermos oquanto algo de errado temos cá dentro

    ResponderExcluir
  6. Poetisa Ana

    Esses devaneios... esses loucos... essas verdades que brotam da alma... essas liberdades que refletem nos olhos. Loucura e lucidez se fundem que as vezes não encontro fronteira.
    um grande abraço

    ResponderExcluir
  7. As vezes, nós que somos loucos por esquecermos o que é a felicidade...

    Fique com Deus, menina Ana Cristina Cattate.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  8. Que texto adorável! É por imaginarmos que a loucura é assim que muitos de nós começam a desejar ser verdadeiramente loucos também...

    ResponderExcluir
  9. Lindonaaa, qto tempo!
    Te mandei uns e-mails ha um tempinho atras!
    Estava preocupada. Vcs estao bem? Saudades viu? Beijo Jessica

    ResponderExcluir

Deixe suas palavras aqui... (mas por favor, sem ctrl c ctrl v :D)

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Poema do Louco


Haverá destino ou ventura maior
Que ser chamado por todos "o louco" ?
Viver à margem da cruel verdade
Livre de qualquer mental calabouço?

Rir de si mesmo, dos outros, talvez chorar
Sem explicar, dosar ou dar satisfação
Correr nu, vento afora, a trovejar
Bater com a porta torta na cara da razão

Encarar a Virtude em frouxo franco riso
Fazendo do Hoje seu único Bem
Não lamentar a Sorte com tanto siso
Viver com pouco, como louco, sem porém

Ah, e que aqui se faça e seja seu paraíso
Mesmo que os sãos o vejam como purgatório
Ter transparente alma de olhos puros, precisos
Fazer da Vida teu próprio e único Oratório

E vendo-te assim, com esse parco largo sorriso
Com calma doidivana que te cerca como nuvem
Pensarei: "Quem dera ser louco assim também
Para suportar melhor quem juízo tem..."



Minha contribuição para  a Fábrica de Letras, cujo tema deste mês foi  "Loucura"

11 comentários:

  1. Isso sim é um poema muito louco no melhor sentido da palavra.Tenho minha visão do que é ser louco,por exemplo,gente que faz tudo igual todos os dias,só porque todos fazem.BEIJOS e parabéns dobrado

    ResponderExcluir
  2. Oi Ana Cristina, eu adorei o poema. Acho que só sendo um pouco louco para aguentar a loucura que tornou-se o mundo e a vida. Muito legal, ficou leve, agradável de ler, e com muito para pensar.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Ana Cristina, um poema belo na construção, no tema. beijo

    ResponderExcluir
  4. Destino belo este, versos magníficos.
    beijos

    ResponderExcluir
  5. teu poema vai certinho, nisso de loucura e o que se tem por razão, é só olhar o outro para sabermos oquanto algo de errado temos cá dentro

    ResponderExcluir
  6. Poetisa Ana

    Esses devaneios... esses loucos... essas verdades que brotam da alma... essas liberdades que refletem nos olhos. Loucura e lucidez se fundem que as vezes não encontro fronteira.
    um grande abraço

    ResponderExcluir
  7. As vezes, nós que somos loucos por esquecermos o que é a felicidade...

    Fique com Deus, menina Ana Cristina Cattate.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  8. Que texto adorável! É por imaginarmos que a loucura é assim que muitos de nós começam a desejar ser verdadeiramente loucos também...

    ResponderExcluir
  9. Lindonaaa, qto tempo!
    Te mandei uns e-mails ha um tempinho atras!
    Estava preocupada. Vcs estao bem? Saudades viu? Beijo Jessica

    ResponderExcluir

Deixe suas palavras aqui... (mas por favor, sem ctrl c ctrl v :D)